Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Sábado, 17 de Março de 2018
Visita ao Navio Hospital Gil Eannes

IMG_20180224_175816.jpg

IMG_3377.JPG

IMG_3459.JPG

Visita ao Navio Hospital Gil Eannes

Quando navegavam na Terra Nova e nos Grandes Bancos, os navios portugueses da pesca do bacalhau até 1923, ficavam por conta própria sem qualquer assistência, quando algum tripulante adoecia ou ficava ferido com gravidade, a única solução era rumar a terra normalmente para o porto de St. John’s no Canadá.

Em 1923 a marinha de guerra portuguesa decidiu enviar um navio para os Grandes Bancos com o objectivo de prestar assistência á frota de pesca á linha.

Foi então escolhido para esta função o cruzador Carvalho Araújo, mas por infelicidade logo na sua viagem inaugural o navio encalhou devido aos nevoeiros na costa sul da Terra Nova, tendo conseguido safar-se pelos próprios meios 24 h depois do encalhe. Não é claro se o navio ainda prestou assistência á frota de pesca nessa campanha.

Depois do acidente com o Carvalho Araújo só em 1927 voltou a ser enviado um navio para assistência da frota de pesca portuguesa, tratava-se do navio Gil Eannes, ex. Lahnec, que tinha sido aprendido aos alemães, durante a primeira guerra mundial quando se encontrava fundeado no rio Tejo, tendo sido transformado em navio-hospital, missão que durou até 1954.

Em 1955 um novo navio que estava em construção ficou pronto e entrou ao serviço como navio-hospital foi-lhe atribuído, (mais uma vez), o nome de Gil Eannes e é o navio museu flutuante que pode ser visitado em Viana do Castelo terra onde foi construído.

Este moderno navio tinha uma tripulação de sessenta e dois homens. O Gil Eannes foi o primeiro navio especificamente projectado para operar nos grandes bancos como navio hospital, com dois blocos operatórios, aparelhos de radiografia, laboratório de análises, salas de isolamento, sala de estomatologia, três médicos, vários enfermeiros, elevador de dimensões suficientes para transportar macas e acamados.

Os serviços médicos do Gil Eannes estavam disponíveis para tripulantes de navios de outros países, mediante pagamento de uma taxa, à excepção dos canadianos que recebiam os serviços gratuitamente como reconhecimento pela hospitalidade oferecida á frota portuguesa no Canadá, especialmente na Terra Nova que fazia parte da confederação do Canadá.

Para além de navio hospital, o Gil Eannes também estava capacitado para fornecer abastecimentos á frota, como água, combustível, carvão para os fogões das cozinhas e frescos. A tripulação independentemente das condições climáticas e da agitação marítima tinha de transferir pacientes em macas, realizar operações, prestar todo o tipo de socorro no mar, como acorrer a naufrágios, recolhendo os náufragos. 

O Gil Eannes efectuou a sua última viagem de assistência à frota bacalhoeira em 1973, esteve parado durante algum tempo e em 1975 iniciou novamente atividade como navio comercial transportando bacalhau seco da Noruega para Lisboa, ao serviço da Comissão Reguladora do Comércio do Bacalhau.

Ainda em 1975 foi requisitado pelo Governo Português para apoiar a independência de Angola, como navio hospital, terminada essa missão voltou a ser armado para viagens comerciais, tendo navegado pela Noruega, Canadá, Nova Inglaterra, África do Sul, República dos Camarões e Espanha, terminou a sua actividade em 1984.

A partir de 1984 o navio foi-se degradando de cais em cais no porto de Lisboa, onde foi sendo sucessivamente pilhado de grande parte do seu equipamento, até ser vendido para abate em 1997, nesse mesmo ano incentivada pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, a comunidade vianense mobilizou-se, para trazer aquele ícone da história marítima portuguesa para a cidade onde nascera.

Ainda em 1997 foi constituída a Comissão Pró-Gil Eannes com o objetivo de angariar meios financeiros para resgatar o navio Gil Eannes da sucata evitando o seu desmantelamento. Em 1998, a referida Comissão deu origem à Fundação Gil Eannes, atualmente proprietária do navio e nesse ano o navio chegou à cidade que o viu nascer para ser exposto no porto de Viana do Castelo.

O histórico Gil Eannes entrou nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo ainda em 1998 para trabalhos de limpeza e reabilitação, contando com o apoio de várias instituições, empresas e da sociedade civil em geral, criando dessa forma as condições necessárias para a sua abertura ao público em Agosto desse mesmo ano.

Em 2000 foram realizadas obras de beneficiação alargando o percurso de visita permitindo hoje aos visitantes, visitar a ponte de comando, quartos de oficiais, sala de radio telegrafistas, cozinha, padaria, casa das máquinas, elevador de transporte de doentes em macas, consultórios médicos, enfermarias, sala de tratamentos, gabinete de radiologia, laboratório de analises, bloco operatório, camarotes, capela, uma sala de exposições temporárias, uma sala de reuniões, uma loja de recordações.

Visitei, a 24 de Fevereiro de 2018, o Gil Eannes Navio Hospital. Este navio é hoje um museu flutuante que, não só retrata as suas funcionalidades enquanto navio hospital, mas também muito do que foi aquilo que considero ser a ultima grande epopeia marítima dos portugueses, a pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova e Gronelândia.

Os homens que, primeiro em navios à vela e mais tarde a vela e motor, rumavam aos mares gelados e tempestuosos da Terra Nova e Gronelândia nas décadas de 50 e 60, não só eram excelentes pescadores como extraordinários marinheiros. No auge da pesca do bacalhau à linha, utilizando os Dóris, pequenas embarcações individuais para a captura dessa extraordinário peixe, usavam somente linhas de mão, navegando com a ajuda de uma pequena vela ou a força dos braços nos remos.

São esses homens, marinheiros e pescadores, os derradeiros heróis da epopeia marítima portuguesa. É um pouco da história desses heróis que o navio hospital Gil Eannes nos conta, uma história que em cada campanha era feita de sacrifícios, de perseverança, de muitos perigos, de alegrias e tristezas e de muita saudade.

Visitar o Gil Eannes Navio Hospital não é só absorver a história, o conhecimento que o navio nos transmite é também, e principalmente, homenagear todos os que foram e voltaram, e todos os que la ficaram.

Por: António de Lemos

Bibliografia:

Os Navios da Pesca à Linha, autor, Jean Pierre Andrieix, edição Fundação Gil Eannes.

Faina Maior – A Pesca do Bacalhau nos Mares da Terra Nova

BLOGUE DO MINHO – Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza, http://bloguedominho.blogs.sapo.pt/202358.html

Fotografia, António de Lemos



publicado por António Lemos às 14:45
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

EU QUERO O FIM DA CAÇA Á ...

Que Futuro: um progresso ...

Eu estava lá e não esqueç...

Faro de Cabo Ortegal

Visita ao Navio Hospital ...

TENDO O MAR COMO HORIZONT...

Em cascais, PSD, CDS e PS...

PS: UM JOGO NOVO?

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

arquivos

Novembro 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds