Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018
EU QUERO O FIM DA CAÇA Á RAPOSA.

raposa_foto_dr4357c1ac_base.jpg

EU QUERO O FIM DA CAÇA Á RAPOSA.

A raposa não é um animal que faça parte de qualquer tipo de gastronomia em Portugal, nem mesmo na Península Ibérica, continuar a permitir o abate a tiro, paulada ou por matilhas de cães, só serve para deleite daqueles que possuem instintos assassinos, ou interesses económicos como o comércio mais ou menos obscuro da pele das raposas.

 

A raposa é um mamífero carnívoro, alimenta-se principalmente de pequenos roedores, coelhos, peixes, ovos, frutos e insetos, o seu habitat são regiões de clima temperado, em Portugal a raposa vermelha pode ser encontrada de norte a sul.

A raposa é uma predadora generalista e oportunista, não desperdiça qualquer tipo de alimento. Come desde coelhos, ou ratos, ouriços, escaravelhos, gafanhotos, perdizes, pássaros, répteis, anfíbios, ovos, frutos silvestres, etc.

Quando o alimento natural escasseia costuma recorrer às áreas humanizadas, à procura de animais domésticos, resquícios de alimento nas lixeiras e até aproveitar animais mortos por atropelamentos. Nos períodos de maior abundância de alimento costumam armazenar a comida, enterrando-a, para consumir nas alturas menos abastadas.

Em Portugal nas regiões em que é detectada a escassez de alimentos naturais da raposa o mesmo deve-se á caça excessiva de coelhos, lebre e aves.

Apesar de não existirem estudos concretos acerca da sua abundância, verifica-se que é uma espécie muito comum.

A actual abundancia deste animal deveu-se em parte, à eliminação de alguns dos seus predadores naturais, tais como, a águia-real, o bufo-real, a açor, o lince e o lobo, devido em grande parte á caça predatória, nomeadamente ao lobo ibérico apesar da proibição.

 Os principais factores de ameaça á raposas, estão relacionados directamente com actividades humanas, nomeadamente com as medidas de controlo de predadores implementadas pelas Zonas de Caça dos diversos regimes cinegéticos, a própria caça, já que a raposa é considerada uma espécie cinegética, e a rede viária que leva a que se torne com frequência em vítima de atropelamentos.

Não é verdade que a raposa ataque com frequência as capoeiras comendo as galinhas, tal pode acontecer em alturas de muita escassez de alimentos naturais, e sobre capoeiras que não possuem a segurança devida para a protecção dos animais, ainda assim, alguns ataques a capoeiras atribuídos ás raposas são efectuados por matilhas de cães que vivem de forma selvagem atacando capoeiras devido á fome, situações que mais uma vez só podem ser imputadas ao homem pela sua incúria e desleixe na preservação dos animais no seu habitat natural.

Na Inglaterra, onde a caça á raposa é considerada uma tradição secular, essa prática foi proibida em 2005, não encontro qualquer justificação para que alguém dotado de sensibilidade para a defesa da vida, possa alguma vez concordar que se continue a matar raposas em Portugal.

 

António de Lemos

 

Bibliografia:

https://www.todabiologia.com/zoologia/raposa htm

http://www.terrasdesico.pt/turismo-fauna/raposa

Covão da Ponte, Serra da estrela.



publicado por António Lemos às 17:21
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

EU QUERO O FIM DA CAÇA Á ...

Que Futuro: um progresso ...

Eu estava lá e não esqueç...

Faro de Cabo Ortegal

Visita ao Navio Hospital ...

TENDO O MAR COMO HORIZONT...

Em cascais, PSD, CDS e PS...

PS: UM JOGO NOVO?

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

arquivos

Novembro 2018

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds