Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2005
"No Coração do Mar" um livro a não perder!

mar 99.JPG "Nathaniel Philbrik pegou num dos mais terríveis relatos nos anais da história marítima e transformou-o num clássico. Enriquecido por detalhes versando a navegação através dos astros bem como a anatomia e comportamento da baleia, até à historia do canibalismo, esta obra é um relato histórico da maior qualidade, sendo simultaneamente, um dos livros mais arrepiantes que já li." Assim se referiu Sebastian Junger autor de " A Tempestade" ao livro escrito por Nathaniel Philbrik " No Coração do Mar". Em Novembro de 1820, nos longínquos mares do Pacifico, o baleeiro “Essex” é abalroado por um cachalote enraivecido, que afunda o navio em poucos minutos. Embora a sua tripulação se consiga salvar, o pesadelo acabara de começar. Através do relato inédito, e só há pouco descoberto, de um dos sobreviventes da tripulação, assistimos ao desenrolar de uma das mais dramáticas histórias marítimas de todos os tempos. Nathaniel Philbrick recria assim a história do épico no qual Herman Melville se baseou para escrever "Moby Dick", um relato verdadeiro de capacidade humana, força e solidariedade, que chocou e transformou uma Época e um Modo de Vida. Numa viagem de coragem, instinto de sobrevivência e drama, através dos horrores da fome, da sede e do medo, a tragédia do "Essex" transporta-nos ao interior de nós mesmos, ás profundezas do ser humano até ao limite extremo que só será encontrado "No Coração do Mar". Para além de tudo o que já foi dito, esta obra também relata com grande realismo a vida dos marinheiros caçadores de baleias a bordo dos baleeiros nos anos de 1800, que chegavam a passar perto de três anos no mar caçando principalmente cachalotes e passando enormes privações. Este livro que aconselho a todos os que gostam de literatura que se relacione com mar e aventura, é uma excelente obra e uma das melhores do género que li até hoje. António Lemos 12 de Janeiro de 2005



publicado por António Lemos às 09:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2005
PESCADORES SEM SEGURANÇA NO MAR !
salva vidas1.JPG


A Federação dos Sindicatos do Sector das Pescas lançou uma jornada de informação sobre segurança no sector da pesca mar, denunciando a falta de meios materiais e humanos do Instituto de Socorros a Náufragos.•
Mais de metade das mortes de pescadores portugueses entre 1980 e 2001 ocorreram em naufrágios. A queda ao mar constitui a segunda causa de morte (19 por cento). Estes valores foram avançados pela Federação dos Sindicatos do Sector da Pesca (FSSP) durante uma jornada de informação sobre segurança no sector da pesca marítima, ainda a decorrer.
Segundo a Organização Internacional do Trabalho, morrem anualmente 24 mil pescadores em todo o mundo. Em Portugal, entre 1980 e 2003, registaram-se mais de 44 mil sinistros e a morte de 383 pescadores.
A federação associa o número de mortes à falta de meios materiais e humanos do Instituto de Socorros a Náufragos. Segundo os representantes sindicais desta instituição, seria necessário 400 profissionais para que os serviços funcionassem em pleno, 24 horas por dia. Contudo, o quadro prevê apenas 130 funcionários e só 50 estão colocados. Deste grupo, metade tem mais de 55 anos.
A FSSP avança com alguns exemplos: tanto a estação de salva vidas de Leixões como a do Douro têm apenas dois funcionários. A de Aveiro dispõe de quatro. «Isto revela a dificuldade dos navios salva-vidas se fazerem ao mar ou, nalguns casos, a total impossibilidade de o fazerem, pois não é possível uma embarcação fazer-se ao mar com dois homens», referiu recentemente António Macedo, representante da plataforma, em Bruxelas, numa iniciativa inserida na jornada de informação.
«Talvez por isso, num acidente ocorrido com uma embarcação de pesca de cerco em Matosinhos, o barco salva-vidas não se tenha feito ao mar e só muito tardiamente tenha saído uma embarcação da Brigada Fiscal da GNR», acrescentou.
Estas estações apenas funcionam em horário administrativo, das 9h às 17h. Os trabalhadores estão sempre de «prevenção», mas livres para fazer a sua vida normal, podendo estar a quilómetros dos meios de salvamento.
Sem helicóptero
A FSSP critica o facto do Instituto de Socorros a Náufragos dispor apenas de 16 barcos salva-vidas e alguns botes. Em 1997, foram adquiridos oito embarcações, mas os profissionais consideram que estas não têm características necessárias para a acção de salva vidas, para navegação ou para a recolha de náufragos. «Os outros são velhos, obsoletos e lentos», comentou António Macedo, acrescentando que muitas vezes «é tarde de mais» quando chegam ao local.
O serviço de salvamento não tem nenhum helicóptero atribuído. A Força Aérea dispõe de seis aparelhos, mas três estão permanentemente parados para manutenção. «A sua utilização é quase sempre impossível dada as inúmeras burocracias necessárias, tendo-se registado mesmo situações em que até o custo do combustível foi questionado», revelou o dirigente sindical.
A federação lembra que o organismo espanhol de socorros a náufragos possui cinco helicópteros, 10 salva-vidas de 70 metros e 40 salva-vidas de 16 a 21 metros. (Edição Nº1622 do AVANTE órgão central do PCP). Os salva-vidas que se vem na foto são Espanhóis. António Lemos





publicado por António Lemos às 11:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 2 de Janeiro de 2005
MAREMOTO / TSUNAMI
Farol Cabo Raso 2.JPG

MAREMOTO / TSUNAMI
NA NOSSA COSTA COMO SERIA?

Desde o dia 26 de Dezembro de 2004 que muitos comentadores, mais ou menos
credíveis, têm passado pelas nossas televisões, emitindo opiniões sobre
a possibilidade de um maremoto/tsunami poder acontecer na nossa costa.
Estas opiniões são extremamente sucintas sem grandes explicações, o que me leva a
deduzir que ou não se sabe nada sobre este assunto no nosso país, ou não se
pretende divulgar a informação existente.

Fala-se muito mas informa-se pouco. Sobre este assunto ficou claro que em
Portugal apesar de já terem ocorrido alguns maremotos, em períodos mais ou
menos longínquos, não há qualquer sistema de aviso de maremoto/tsunami, pelo
que a acontecer ninguém saberá qual seria a possibilidade de tomarmos
providencias com o mínimo de antecedência!

Também os geólogos portugueses, que mais recentemente falaram na TV sobre a
possibilidade de ocorrência de terramotos e consequentemente maremotos na
nossa costa, aproveitaram a ocasião para lembrar que Portugal continua sem
cartas de risco praticamente em todo o país e que sem esse estudo é
impossível definir planos de prevenção eficazes. O ordenamento do
território e o planeamento da ocupação da zona costeira são imperiosos e
concluíram dizendo que de seguida se deveria apostar em sistemas de aviso e
planear mecanismos de socorro. O SNBPC não tem um plano para fazer frente a
uma situação destas no nosso país!

Foi divulgado na comunicação social um estudo efectuado por universidades
Americanas e Britânicas sobre a possibilidade duma catástrofe desta natureza
poder atingir a costa Portuguesa, bem como as costas de Africa, Espanha e
América segundo se informava no DN de 30 de Dezembro de 2004. Os cientistas
voltaram a alertar para o perigo de um fenómeno semelhante no oceano
Atlântico, desta vez não devido a um sismo, mas a uma erupção vulcânica.
Nas Canárias, uma gigantesca massa rochosa ameaça desprender-se do vulcão
Cumbre Vieja, na ilha de La Palma, indo cair no mar. Quando isso acontecer, uma
gigantesca onda atravessará todo o Atlântico em direcção ao continente
americano, atingindo-o apenas quatro horas e claro está, também a costa portuguesa
será afectada pelas vagas.

Ao ler alguma informação relacionada com estes fenómenos naturais, reparei
que os americanos e os japoneses tem sistemas de aviso de tsunami e que
inclusivamente têm aviões prontos a descolar, depois de emitido o alerta, que
possibilitam acompanhar as ondas, controlando do ar a sua direcção e
velocidade, conseguindo desta forma prever com alguma antecedência o efeito que
se irá verificar aquando da chegada a terra dessas ondas. (USA e Japão são
outra realidade)

Estou convicto que, pela natureza da nossa costa, uma catástrofe com magnitude
da que agora ocorreu no Oceano Indico não seria possível, no entanto, haveria
zonas da nossa costa e de outros países da Europa, que seriam gravemente
afectados. Era de enorme importância que os órgãos de comunicação social,
partidos políticos, bem como a sociedade civil em geral continuassem a
pressionar as entidades competentes para o total esclarecimento das
populações sobre as consequências para Portugal duma catástrofe desta
natureza, bem como das medidas possíveis a ser tomadas para minimizar os
efeitos que daí possam advir.

02 De Janeiro de 2004.
António Lemos



publicado por António Lemos às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


posts recentes

Eu estava lá e não esqueç...

Faro de Cabo Ortegal

Visita ao Navio Hospital ...

TENDO O MAR COMO HORIZONT...

Em cascais, PSD, CDS e PS...

PS: UM JOGO NOVO?

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds