Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Domingo, 9 de Agosto de 2015
Hiroxima e Nagasaki o crime dos EUA

Bomba Atomica 2.jpg

O crime dos EUA contínua impune! Hiroxima e Nagasaki nunca mais!

A 6 e 9 de Agosto de 1945, os EUA lançaram as bombas atómicas sobre Hiroxima e Nagasaki. Mataram instantaneamente mais de 200 mil civis e muitos milhares morreram das consequências da radiação, que deixou mazelas nas gerações vindouras. Um crime que fica na história como um dos mais bárbaros e odiosos actos de agressão contra populações civis, que nenhuma consideração de ordem militar poderia justificar.

 

Um crime que os EUA procuraram justificar como sendo necessário para derrotar o Japão – país que em Agosto de 1945 já se encontrava à beira da derrota – e como alternativa para a invasão terrestre que significaria a perda de milhares de vidas de soldados norte-americanos. Assim se massacram centenas de milhares de pessoas, um crime que até hoje permanece impune.

 

Na verdade, as bombas atómicas sobre Hiroxima e Nagasaki serviram para afirmar a hegemonia militar dos EUA, pela detenção do monopólio da arma nuclear, perante o mundo e, em particular, perante a União Soviética.

 

Preocupado com uma nova ordem mundial de sentido progressista, saída da Segunda Guerra Mundial, o imperialismo procurou desta forma reafirmar o seu poderio, pela chantagem e ameaça nuclear nas relações internacionais e pelo medo. Os avanços dos processos de libertação, o prestígio e autoridade ganhos pela União Soviética pelo seu decisivo papel na derrota do nazi-fascismo, a resistência antifascista com ampla participação das massas e com grande influência dos comunistas, a vontade popular de justiça e progresso social, eram factores determinantes que levariam e levaram a profundas transformações democráticas e antimonopolistas. Avanços na emancipação social e nacional que era necessário conter. Com as bombas atómicas sobre Hiroxima e Nagasaki os EUA inauguram a «guerra fria».

 

Recorde-se que três meses antes, a 9 de Maio de 1945, na sequência da entrada do Exército Vermelho em Berlim, a Alemanha nazi havia assinado a sua rendição incondicional, marcando o fim da mais hedionda guerra de sempre que fez 60 milhões de mortos.

 

Após tantos anos de guerra, a Humanidade começou a aspirar a tempos de Paz, de vida e de esperança. A derrota do nazi-fascismo e também do militarismo japonês teve consequências profundas no curso da história. Saíram fortalecidas as forças que defenderam a paz, a democracia, a autodeterminação dos povos e o socialismo. Pelo contrário, o imperialismo saiu enfraquecido.

 

Carta das Nações Unidas

 

Apesar da guerra ainda decorrer no Extremo Oriente, na Europa começou-se a reconstruir física, política, económica e socialmente vilas, cidades e países inteiros. Da vitória sobre o nazi-fascismo cresceu a vontade e a certeza, não só nos homens e mulheres que viveram e combateram nesta guerra mas em todos os amantes da paz e da liberdade, de que jamais poderiam deixar que tal barbárie se repetisse.

 

Desse ímpeto e vontade, e do momento que se vivia por todo o mundo, nasceu o texto da Carta das Nações Unidas, assinada por 51 países a 26 de Junho de 1945. Há 70 anos 51 nações comprometeram-se com o caminho da resolução pacífica de conflitos, da defesa da paz, do respeito pela soberania e igualdade entre estados (independentemente da sua dimensão), da autodeterminação dos povos e do estímulo ao progresso social. As grandes potências imperialistas que foram forçadas a assiná-la graças a uma conjuntura internacional que lhes era desfavorável, não tardaram em desrespeitar essa Carta.

 

Cria-se a NATO em 1949 sob a estrita alçada do imperialismo norte-americano, movido pela vontade de impedir qualquer transformação de carácter progressista, dividir profundamente a Europa e combater a União Soviética e restantes países socialistas do Leste Europeu. Intensifica-se a corrida ao armamento,desencadeiam-se as guerras contra os povos da Coreia e do Vietname, exerce-se uma brutal repressão sobre os povos em luta pela sua libertação do colonialismo.

 

Não obstante os esforços do imperialismo, os avanços progressistas na Europa e as forças libertadoras na Ásia e em África não foram travados. Na Europa, realizam-se revoluções populares democráticas que no seu processo de desenvolvimento se transformaram em revoluções socialistas, como na Bulgária, Checoslováquia, Hungria, Jugoslávia, Polónia, Roménia e na Alemanha de Leste, apesar da divisão e ingerência imposta pelo imperialismo, o povo alemão lança-se na edificação de uma nova sociedade. Na Ásia a luta revolucionária de libertação nacional e social leva a edificação do socialismo na China, na Coreia e no Vietname. Aprofunda-se a crise no sistema colonial do imperialismo, as lutas de libertação nacional levam à conquista da independência dos povos da Índia, da Indonésia, da Birmânia, da Síria, do Líbano e de uma série de outros povos. Alastra-se por toda a África e Ásia o ímpeto da emancipação social e nacional levando à criação de fortes movimentos de libertação que mais tarde alcançaram a independência.

 

Mas o desaparecimento da União Soviética e do campo socialista na Europa representou um novo fôlego ao imperialismo, para levar a cabo o seu objectivo maior de travar e fazer retroceder os avanços progressistas dos trabalhadores e dos povos, e uma maior instabilidade e insegurança na situação internacional. Reforça-se a NATO, subalterniza-se e instrumentaliza-se a Organização das Nações Unidas e a guerra volta ao seio da Europa. Da dita «ameaça comunista» à dita «defesa da democracia», da denominada «intervenção humanitária» à dita «luta ao terrorismo», é extenso o rol de pretextos que ao longo do tempo se sucederam para justificar o papel e acção belicistas dos EUA e da NATO e as guerras que proliferam desde os anos 90.

 

Agressividade crescente do imperialismo

 

70 anos volvidos do fim da Segunda Guerra Mundial, a par da ofensiva exploradora do grande capital, de novo o imperialismo intensifica o militarismo, a corrida ao armamento e as guerras de agressão e ocupação, com que procuram fazer face à crise estrutural do capitalismo, que se agudiza nos EUA, na UE e no Japão, seus principais centros.

 

O mundo está mais perigoso e instável. Os objectivos de desestabilização e de destruição de países, para pôr a mão nas suas riquezas, como no Afeganistão, na Líbia, no Iraque, na Síria, no Iémen e toda a desestabilização do Médio Oriente, agora a pretexto do combate ao «estado islâmico»; a ingerência do imperialismo na América Latina, procurando pôr termo aos processos de transformação social progressistas na Venezuela, Bolívia, Equador, mas também noutros países, como no Brasil; o ressurgimento do fascismo na Europa apoiado pelos EUA e UE no caso do golpe de Fevereiro de 2014 na Ucrânia, mostrando a sua face mais negra com a violência e a guerra; a tensão e confronto crescente contra a Federação Russa; a ingerência na política interna de países como a Grécia que visam impor aos povos a continuação da exploração, do empobrecimento e da submissão; a tensão eminente no Pacífico; a corrida aos armamentos e da instalação de novos sistemas de mísseis dos EUA; a proliferação das bases militares estrangeiras em pontos geoestratégicos – são expressão da crescente agressividade do imperialismo.

 

Muitos são os exemplos e os sinais de que o imperialismo se prepara para qualquer circunstância ou processo que ameace pôr fim à ordem hegemónica ditada pelo imperialismo norte-americano e que as contradições do capitalismo são muitas e perigosas para a vida da Humanidade. Veja-se como, no ano em que se assinala os 70 anos do lançamento das bombas sobre Hiroxima e Nagasaki e o fim da Segunda Guerra Mundial, o Japão, país que rejeitou a utilização das suas forças militares fora das suas fronteiras, após a guerra, por força dos horrores vividos pelo seu povo, alterou recentemente a sua Constituição de forma a que possa pôr o seu poderio militar ao serviço do imperialismo e assim intervir com tropas no exterior.

 

Em suma, os EUA com os seus aliados, criando e promovendo a generalização de focos de tensão e de desestabilização em praticamente todas as regiões do mundo, fomentam a agressão e lançam a guerra contra todos aqueles que, defendendo a sua soberania e independência nacional, resistem às pretensões de imposição do seu domínio mundial.

 

Luta pela paz continua actual

 

A luta pela paz e o movimento da paz surgiu com grande fôlego no final da Segunda Guerra Mundial. Resistentes antifascistas cedo ergueram-se na denúncia e combate à violência da guerra e aos seus horrores. Com a vitória sobre o nazi-fascismo e os avanços libertadores, os povos levantaram a bandeira da paz como construtora do progresso e emancipação social e nacional.

 

Da vontade e da necessidade, tendo em conta o perigo de que a história se repetisse, nasceu de um amplo conjunto de estruturas e individualidades, o movimento mundial da paz, que teve expressão em países de todos os continentes, criando-se uma vasta frente de luta pela Paz, o desarmamento e a soberania, contra a guerra, o fascismo, o colonialismo e qualquer outra forma de opressão dos povos. O Conselho Mundial da Paz, criado entre 1949 e 1950, lança o Apelo de Estocolmo em Março de 1950, que recolheu centenas de milhões de assinaturas contra as armas nucleares em todo mundo, incluindo em Portugal. A determinação dos povos de todo mundo foi fundamental para que o horror de Hiroxima e Nagasaki não se repetisse. A expressão da solidariedade e cooperação entre os povos alargou-se intensamente. Assistiu-se em todo o lado a grandes movimentações contra as guerras na Coreia e no Vietname, contra a ocupação da Palestina, contra o regime do apartheid na África do Sul, entre outros exemplos.

 

Assinale-se que Portugal e o povo português nunca foram excepção. Mesmo sob o jugo da ditadura fascista, em várias acções legais e semiclandestinas, os partidários da paz resistiam e denunciavam as objectivos e as consequências da guerra, principalmente no caso da guerra colonial. Veio a Revolução de Abril e com ela a mais progressista Constituição na Europa capitalista, que no seu artigo 7.º consagra os ideais do desarmamento, da paz, da amizade e cooperação entre os povos.

 

Hoje, em tempos em que o mundo segue um curso tendencialmente menos democrático e mais sangrento, à custa do aprofundamento das trágicas consequências da ofensiva do imperialismo, a luta pela paz continua mais necessária e actual que nunca – sendo urgente o reforço do movimento da paz e da solidariedade para com os povos vítimas da agressão imperialista.

 

Certamente, como no passado, cabe aos comunistas contribuir para unidade e mobilização de todos os antifascistas e democratas, de todos os amantes da paz, para luta contra a ameaça do fascismo, contra o militarismo, contra a ingerência e a guerra imperialistas e pela paz, pelo desarmamento – em particular, pelo desarmamento nuclear –, pela resolução pacífica dos conflitos, pelo fim das bases militares estrangeiras, pela dissolução dos blocos político-militares, pelo respeito da soberania e independência nacional, pelo progresso social e a amizade e a cooperação entre os povos.

 

Com a consciência de que a luta pela paz e contra o imperialismo é indissociável da luta pela justiça social, pelo progresso e emancipação nacional, pelo fim da exploração do homem pelo homem, pelo Socialismo.

 

Jornal Avante – http://www.avante.pt/pt/2175/temas/136609/

 

Publicado no Mar Revolto por Antonio de Lemos



publicado por António Lemos às 21:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

Luta pela Paz, questão ce...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds