Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Segunda-feira, 11 de Junho de 2012
Sobre o Século do Povo – A Crise do Capitalismo

Sobre o Século do Povo – A Crise do Capitalismo

 

Estamos na década de 70 no auge da guerra fria, dois blocos: o socialista representado pela URSS e o capitalista representado pelos EUA, digladiam-se na América do sul, na Ásia e em África. Os ventos da globalização varrem o mundo. No ocidente capitalista vivem-se momentos de euforia com a expansão dos mercados. Embora com impostos elevados vive-se num tempo em que ainda se pensa ser possível ter um emprego para toda a vida. Nos EUA, famílias inteiras trabalham na indústria, o trabalho é bem remunerado, os trabalhadores têm direitos e organizações sindicais que negoceiam com os patrões.

 

Vive-se no mundo capitalista, mas num capitalismo organizado com rosto, em que as industrias ainda se mantem fixas ao chão. Na URSS e nos países do bloco socialista há trabalho e salários para todos, o estado oferece segurança no emprego, cuidados de saúde, habitação, educação e cultura. No entanto os orçamentos de defesa esmagam a URSS, dificultando a prosperidade económica das suas repúblicas.

 

Na década de 80, o mundo capitalista começa a mudar de forma rápida, tendo em conta factores de concorrência da globalização, as empresas tem de se modernizar e globalizar, já não chega concorrer no mercado interno têm de concorrer interna e externamente.

 

É necessário baixar os custos de produção, em consequência, o emprego certo e bem remunerado fica ameaçado. As empresas fecham, são os custos da globalização, os mais favorecidos completamente instrumentalizados e formatados pelo neoliberalismo não estão dispostos a contribuir para o sustento dos mais desfavorecidos.

 

O neoliberalismo puro e duro chega ao poder, tomamos como exemplo o de Margaret Thatcher na Inglaterra, a ideia da economia de mercado funciona sem qualquer controlo.

 

A China abre-se ao capitalismo e abraça a economia de mercado, embora de forma controlada, a isso é obrigada, a sede de consumo chega com os ventos da globalização que sopram forte e começam a varrer a China. Por sua vez a URSS não abraça a economia de mercado, tenta resistir, mas a corrupção e a traição que mina o aparelho de estado e a falta de liberdade de expressão colocam-na no caminho da derrocada. Com a queda do muro de Berlim (1989), a URSS caminha para o desmantelamento. É o fim da guerra fria, mas aqueles que na altura pensavam ter chegado a uma nova era de paz e prosperidade depressa perceberam o engano.

 

Com o fim da URSS o Neoliberalismo funciona em pleno, sem contraditórios, os nacionalismos e o militarismo acentuam-se na Europa e dão origem a guerras Fratricidas nos Balcãs. A Europa da democracia assiste às mais atrozes guerras étnicas e religiosas, campos de concentração são construídos e relembram as fragilidades das democracias liberais europeias numa Europa que é impotente para as travar da barbárie. Na Rússia aumenta o desemprego, perdem-se regalias sociais, a economia de mercado começa a funcionar, rapidamente cava-se um enorme fosso entre ricos e pobres.

 

O capitalismo desorganizado, selvagem, domina local e globalmente, os Estados perdem soberania, o estado social desmorona-se, o desemprego aumenta e as empresas são deslocalizadas ao sabor dos menores custos de produção, da mão-de-obra barata, o capitalismo financeiro não tem rosto e os trabalhadores perdem capacidade reivindicativa. A China adota os “tiques” do capitalismo e próspera economicamente.

 

Portugal, pequeno e periférico, mal governado por sucessivos governos de caris liberal ou neoliberal, afunda-se incapaz de se afirmar na Europa, a globalização chegou a Portugal não como um vento mas como um ciclone.

 

A revolução de 25 de Abril de 1974 foi há 38 anos, as conquistas de então foram-se perdendo no tempo de crise em crise, estamos em 2012, Portugal enfrenta a maior recessão económica que há memória, a ajuda externa do FMI, da UE, e do BCE não só retirou soberania económica como impôs condições recessivas que mais não fizeram que agravar as desigualdades, é a crise do capitalismo a ser paga pelo povo. Cresce o desemprego, milhares de famílias perdem as casas que adquiriram a crédito, o endividamento de empresas e famílias acentua uma espiral de pobreza incontrolável, os governos de cariz neoliberal curvam-se perante o eixo franco-alemão, os portugueses sem liderança ficam apáticos esperando um milagre. Na rua os sindicatos tentam a todo o custo resistir de forma ordeira, manifestação atrás de manifestação, greve geral atrás de greve geral, é um patamar que já deveria ter sido ultrapassado. A situação insustentável do povo português exige outras formas de luta, os portugueses precisam que se lhes aponte o caminho que leve á mudança de política económica e social.

 

As próximas gerações enfrentam a incerteza, mas os ventos de revolta que emergem por todo o mundo podem ser um sinal de que a revolução poderá estar mais perto do que se julga.      

 

António Lemos 

 



publicado por António Lemos às 20:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

Luta pela Paz, questão ce...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds