Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Terça-feira, 23 de Abril de 2013
25 DE ABRIL SEMPRE FASCISMO NUNCA MAIS!

«As Portas que Abril Abriu» - José Carlos Ary dos Santos



publicado por António Lemos às 22:27
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Abril de 2013
CLEMENTE ALVES É O CANDIDATO À CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS PELA CDU.
*

CLEMENTE ALVES É O CANDIDATO Á CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS PELA CDU.

JOSÉ CARLOS SILVA É O CABEÇA DE LISTA PELA CDU À ASSEMBLEIA MUNICIPAL

 

APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA DE CLEMENTE ALVES 

A PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS

 

Senhores Jornalistas

Caros amigos e camaradas,

 

Para quem, como eu, trabalha e vive em Cascais há mais de 40 anos, vendo no que se tem vindo a tornar este Concelho, torna-se doloroso assistir ao declínio da sua gestão.

Por isso, aceitar o convite para encabeçar a lista da CDU à Câmara Municipal de Cascais tornou-se, para mim, um imperativo de consciência e dever de cidadania.

Quem vive em Cascais e sente os seus problemas, não pode ficar indiferente, sabendo que pode contribuir com o seu esforço para ajudar a estancar os factores de degradação e melhorar a qualidade de vida dos munícipes, tornando-o num concelho melhor do que é hoje, melhor para todos os cascalenses.

É por isso que aqui estou hoje, a apresentar a minha candidatura a Presidente da Câmara Municipal de Cascais, a candidatura da CDU.

Ao faze-lo, comprometemo-nos a inverter a espiral descendente em que o Concelho de Cascais foi colocado por décadas de gestão, quer do PS, quer do PSD/CDS. Tal situação está bem patente na perda de relevância económica, social, cultural e política, além da perda do prestígio. Gestão feita sempre ao sabor de marés, sem terem por horizonte o serviço aos munícipes, nem a defesa e promoção dos interesses do município.

Ao candidatarmo-nos, fazemo-lo com a certeza e a garantia de que os futuros eleitos da CDU, em Cascais, continuarão a assumir como princípios o trabalho, a honestidade e a competência, valores bem marcados pela prática de mais de três décadas do Projecto Autárquico da CDU em dezenas de municípios e em centenas de freguesias. Seremos uma gestão que se imporá pela inovação e criatividade, pelo dinamismo e pela forma como irá concitar a participação dos munícipes na discussão dos problemas e na definição de soluções.

Esta candidatura não será apenas de um candidato, nem de dois candidatos, mas sim de uma equipa de muitos homens, mulheres e jovens que, candidatando-se à Câmara, à Assembleia Municipal e às Freguesias, darão corpo a este projecto de mudança. Uma equipa onde estarão comunistas, ecologistas e muitos independentes, mas que tomam partido pelo seu concelho, a sua terra e pelo seu progresso.

A gestão da actual maioria do PSD/CDS está esgotada. Há muito tempo que vem demonstrando a evidência a sua incapacidade para dar resposta aos problemas da população, castigada com o pagamento de elevadas taxas e impostos municipais e cada vez pior servida nas suas necessidades colectivas.

O estado preocupante da situação financeira da Câmara, com um passivo que rondará os 100 Milhões de euros, contrasta com a cobrança aos munícipes de taxas, tarifas e impostos, considerados dos mais altos praticados em Portugal. Tal passivo diz-nos, só por si, da falta de rigor e de competência da gestão do PSD/CDS.

Para que serve aos cascalenses pagarem um tão alto custo pela água? Que necessidade tem Cascais que seja uma empresa privada, de capital estrangeiro, a explorar e a lucrar com o fornecimento da água?

Como se justifica que a Câmara pague a uma empresa (Tratolixo), que participa e co-gere, um valor real de 58,58€ por tonelada de lixo recolhido, sendo o custo mais alto do país, quando, aqui bem perto, outros municípios pagam apenas 21,00€ por tonelada? Além de escandalosa, esta disparidade de valores é, por si só, responsável pelo maior “rombo” das contas municipais.

A cobrar como cobra, a Tratolixo deveria ser uma empresa altamente rentável, com grandes lucros. Ao invés, a empresa intermunicipal de Cascais, Sintra, Oeiras e Mafra encontra-se numa situação financeira de ruptura total, com uma dívida que ascende a mais de 130 Milhões de euros, que os quatro municípios terão que cobrir.

As empresas municipais e a externalização de serviços, que deveriam ser prestados directamente às populações pela própria Câmara, além de acrescentarem despesa desnecessária ao município, transformaram-se em verdadeiros sorvedouros dos dinheiros públicos, a que urge procurar por cobro.

A rede viária - que se encontra profundamente degradada e praticamente sem intervenção da administração municipal, a não ser nos pontos em que possa dar nas vistas em período eleitoral; a rede de transportes públicos - em que a Câmara deveria intervir exigindo a manutenção de carreiras e de horários convenientes, bem como a prática de preços sociais, com a extensão do Passe Social a todo o Concelho de forma a facilitar as deslocações e a evitar o recurso desnecessário ao automóvel pessoal; a melhoria e defesa do transporte ferroviário - essencial para o Concelho enquanto serviço público e estratégico no plano económico, ameaçado de privatização pelo Governo da coligação PSD/CDS e que não têm merecido à maioria do executivo camarário, da mesma cor política do Governo, nenhum tipo de preocupação.

A cultura, o desporto e o associativismo têm sido desvalorizados e relegados para um lugar fora das prioridades municipais. Não existe uma política de apoio sustentado à actividade das colectividades de cultura e recreio, de forte tradição, sobretudo nas localidades do interior do Concelho, desperdiçando-se os importantes meios físicos construídos pelas populações e a voluntariedade do trabalho das respectivas equipas dirigentes para promoverem a cultura, o desporto, o apoio às iniciativas da juventude, infância e terceira idade, cumprindo funções sociais básicas a que os consecutivos governos centrais do PS, PSD e CDS se têm negado.

A gestão do PSD/CDS não tem um norte nem um projecto de futuro para o Concelho e, por isso, nada faz para se opor à retirada de recursos ao município pelo poder central. Desta forma aceita a extinção de Freguesias, tornando-se cúmplice deste governo e do “ideólogo” Relvas ao desistir de lutar pela manutenção das mesmas, com a consequente perda de serviços públicos de proximidade às populações.

A economia local tem vindo a decair aceleradamente, com o encerramento quase diário de estabelecimentos de comércio e de restauração e a consequente falência de micro, pequenas e médias empresas, incapazes de resistir à política de terra queimada levada a cabo pelo governo e agravada pelas dificuldades criadas pela Câmara através da cobrança inusitada de taxas sobre taxas e do pagamento por estacionamento em tudo quanto é espaço público. Assim se obrigam os compradores a fugirem das áreas de comércio tradicional para as grandes superfícies.

O sector da Hotelaria e Turismo, estruturante para a economia do Concelho de Cascais, com a conivência e mesmo a participação activa dos executivos do PSD/CDS, sofreu nos últimos anos sérios atentados, consubstanciados na destruição do prestigiado Hotel Estoril-Sol. Esta era a única unidade que estava capacitada para o turismo profissional de grandes congressos.

O actual vazio de que se ressente toda a actividade económica, a montante e a jusante da indústria de Hotelaria e Turismo deve-se, em boa parte, à secundarização da actividade do Casino Estoril, face ao novo Casino de Lisboa, com o consequente desinvestimento da concessionária em actividades culturais e de animação, à eliminação de centenas de postos de trabalho e, a culminar, à liquidação da Junta de Turismo da Costa do Estoril, desde sempre responsável pela promoção internacional da zona turística.

O desemprego no Concelho já atinge 25% da população activa, com tendência para crescer se, rapidamente, não forem adoptadas medidas que propiciem a dinamização do comércio e o desenvolvimento da economia local, com a captação de investimento diversificado e com a fixação de empresas produtivas no concelho.

Uma palavra em particular para os trabalhadores do município que são duplamente penalizados. Penalizados por uma política de ataque feroz aos seus direitos e aos seus salários pelo Governo e pela aplicação do memorando da troika – construído e assinado pelo PS, PSD e CDS – e penalizados, também, por uma política municipal que despreza as suas condições de trabalho. Para todos, incluindo os trabalhadores das empresas municipais, a garantia de que a CDU se empenhará na defesa dos seus postos de trabalho e dos seus direitos, promovendo o diálogo privilegiado com os seus órgãos representativos.

Os tempos que vivemos são tempos de enorme dificuldade para a esmagadora maioria dos portugueses e também para a população do Concelho de Cascais. Tempos marcados pelo assalto do Governo PSD/CDS aos salários, às reformas, aos direitos sociais, aos serviços públicos e ao poder local democrático, visando concretizar um violentíssimo programa de retrocesso social, de recessão económica, de desemprego e devastação social.

A estes desafios é preciso responder, não com resignação, mas com determinação na defesa dos direitos e dos princípios em que acreditamos. É isso que propomos para Cascais. E é por isso que aqui estamos.

Esta candidatura tem um duplo valor: de não desistir de lutar contra o desastre de uma política nacional que afunda o país e de pôr fim ao desastre municipal de uma politica que afunda o concelho.

A nossa candidatura conta com os trabalhadores municipais. Sem eles não é possível uma gestão eficaz e competente. O respeito pelos seus direitos e a melhoria das suas condições de trabalho é a garantia da qualidade dos serviços a prestar à população de Cascais.

Esta candidatura valoriza as freguesias e o seu papel primordial junto das populações. Ao contrário do PSD/CDS, que no Governo aprovaram a extinção de freguesias e que, no concelho, chegaram a propor a extinção de três, acabando ainda assim por aceitar que duas fossem eliminadas. Pela nossa parte, como é público e notório, estivemos sempre, na Assembleia da República e no concelho, contra a extinção de freguesias e tudo continuaremos a fazer para as devolver ao povo.

Esta candidatura é a força que defende as freguesias e o seu papel indispensável junto das populações.

Apresentamos esta candidatura para construir um projecto de desenvolvimento para o Concelho, que abra perspectivas ao investimento e à criação de emprego, respeitando o ambiente e valorizando a cultura como um factor de desenvolvimento.

 

Queremos um concelho para todos, recuperando a sua vida, com a sua história, os seus trabalhadores e populações, os seus empresários, a sua capacidade produtiva, que se potencie e valorize mais.

Queremos que o Concelho de Cascais se prestigie, progrida e se valorize para orgulho e bem-estar de todos os munícipes.

Esta candidatura apela à juventude para que não desista do seu concelho, tal como não deve desistir do seu país. E, que com a sua energia criativa, a sua participação plena, nos ajude a construir um concelho e um país em que todos vivamos com dignidade.

Hoje iniciamos um caminho que desejamos que abra um novo ciclo de vida no município de Cascais.

Apelamos a todos que anseiam pela mudança politica para que se juntem a nós. Que nos contactem e nos tragam as suas ideias, preocupações e exigências. Que construam connosco a alternativa de que Cascais necessita.

Não nos movem quaisquer interesses de benefícios de ordem material ou económica, nem pessoal, nem familiar. Move-nos sim a vontade de, nos lugares públicos, servirmos a população.

Candidatamo-nos com a convicção de que, connosco, Cascais será um Concelho melhor, com mais prestígio, mais desenvolvido e harmonioso e onde a vida de todos terá mais valor e qualidade.

 

A todos, muito obrigado.

Cascais, 15 de Abril de 2013


Declaração de candidatura de Clemente Alves na integra.


Publicado no Mar Revolto por Antonio Lemos 



publicado por António Lemos às 19:41
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30


posts recentes

PS: UM JOGO NOVO?

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

arquivos

Novembro 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds