Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Domingo, 24 de Fevereiro de 2013
GRÂNDOLA VILA MORENA O HINO DA RESISTÊNCIA.

GRÂNDOLA VILA MORENA O HINO DA RESISTÊNCIA.

http://www.youtube.com/watch?v=gaLWqy4e7ls

 

Escrita e cantada por José Afonso, foi canção da resistência durante o regime fascista, deu inicio á Revolução em 25 de Abril de 1974, é nos dias de hoje a canção que une o povo português na resistência ao maior ataque do neoliberalismo e do neofascismo, ao que resta da nossa democracia.

Hoje Grândola Vila Morena é cantada pela juventude como um hino de resistência, pela juventude que muitos gostariam de ver alheia desapegada de valores democráticos, alheia e desapegada de consciência politica e social, alheia e desapegada de conceitos de liberdade igualdade e fraternidade.

Ao som de Grândola Vila Morena são hoje organizadas manifestações de protesto de resistência a um regime carregado de corrupção de injustiça, de desigualdade, um país governado desde 1976 sempre pelos mesmos partidos PS, PSD, CDS, num perfeito e organizado complô, que visou destruir os valores de igualdade liberdade e democracia que os portugueses conquistaram com a revolução de 25 de Abril de 1974.

O PS Partido “Socialista” pela mão de Mário Soares, Salgado Zenha, Almeida Santos, em perfeita aliança com os EUA, e a CIA que através de Frank Carlucci apoiaram económica e militarmente a aliança do PS com PSD e Sá Carneiro, com o CDS e Freitas do Amaral e com o ELP (exercito de libertação de Portugal) e o MDLP (movimento democrático de libertação de Portugal), forças contra revolucionarias inspiradas e dirigidas por António de Spínola que com o golpe militar de 25 de Novembro de 1975 interromperam o processo revolucionário em curso, dando inicio do regresso ao poder da direita mais retrograda e servidora dos lobbies capitalistas.

O processo contra revolucionário que se iniciou em 25 de Novembro de 1975, o domínio da comunicação social por poderosos lobbies económicos, sempre ligados aos partidos da aliança contra revolucionaria PS, PSD, CDS, conseguiram um domínio da sociedade, poder-se-ia até dizer mesmo um poder de alienação do povo que tem sistematicamente atribuído a governação àqueles que mais o têm prejudicado, roubando e alienando património nacional desde 1976. Todo este processo, viria a culminar na situação em que nos encontramos hoje de perda da nossa soberania económica e politica.

Tanto foi o roubo ao povo e ao país, tantas são as políticas do saque que hoje a nossa sociedade empobrece de forma desmesurada mandando para a miséria milhões de portugueses. Mas aí está a resistência, a história nos tem ensinado que os povos encontram sempre um caminho de resistência e que uma faísca basta para acender a chama da revolta Grândola Vila Morena pode ser essa chama pode ser a estrela de cinco pontas que guiará os portugueses para a mudança que nos colocará de novo no caminho dos valores de Abril no caminho da Democracia e do Socialismo.

António Lemos



publicado por António Lemos às 14:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013
“Mais uma que deixa o país – carta aberta”

 

Ao ler esta carta não poderia deixar de publica-la no Mar Revolto.

Entendo esta carta como o exemplo do grito de revolta de muito jovens e menos jovens que estão a ser empurrados para fora do país por politicas recessivas adoptadas por um “governo” neoliberal, apoiado por um “presidente” da Republica neoliberal, e por uma “maioria” PSD, CDS neoliberal, responsáveis pelos mais de um milhão e duzentos mil desempregados (1 200 000), dos quais grande parte jovens altamente qualificados.

O meu apelo a todos os jovens e a todo o povo de Portugal é que lutem com todas as armas que tem na mão, a palavra e a união é a força da nossa razão!

A resistência a luta nas escolas/faculdades, nas empresas e na rua é fundamental para que rapidamente possamos acabar com este sistema politico, dominado pela corrupção, pelo despotismo, pela arrogância e abraçar de novo os ideais de Abril.

 

HOJE LUTAMOS PARA DEFENDER A LIBERDADE, A DEMOCRACIA E A NOSSA INDEPENDÊNCIA POLÍTICA E ECONÓMICA!

António Lemos

 

“Mais uma que deixa o país – carta aberta”

Exmo. Sr. Presidente da República,

 

Começo hoje o meu caminho de saída. Saio do meu país levando comigo os meus trinta anos, os meus sonhos, a minha força e vontade de trabalhar. Saio do meu país escorraçada por uma economia podre e corrupta; por políticas sujas e elitistas; por políticos que há mais de trinta anos governam as suas vidas ao invés de governar o país. Onde o senhor se inclui, Sr. Presidente da República.

 

Começo hoje o meu caminho de saída. E deixo para trás um país que premeia o trabalho com pedidos de sacrifícios, o esforço de uns com a opulência descarada da vida de outros, os sonhos com frustração e desespero. Deixo um país a lutar pelo futuro e levo comigo a mágoa de não ficar para a luta. Mas a minha vida já esperou de mais; o meu filho de dois anos já esperou demais, já deve demais. Viver neste país tem sido uma teimosia que, para mim, termina agora.

 

Não sei se volto. Farei parte da grandiosa diáspora que V/ Ex.ª se farta de elogiar e louvar em folclóricos eventos, de gente que foi escorraçada do seu país? Serei um dos brilhantes cérebros em que os país investiu e que, estupidamente, mandou embora? Serei um dos repetidos exemplos daqueles que só depois de deixar o país alcançam o respeito do mesmo país que os ignorou enquanto lutavam por ele? Serei uma pessoa, mais uma, uma cabeça e um corpo a lutar num país que não é o seu? Isso, de certeza.

 

Deixo o meu país e sei que vou encontrar oportunidades novas e novos desafios. Mas não vo-lo agradeço. E dispenso os discursos paternalistas de que “há males que vêm por bem”, de que devo receber com entusiasmo as dificuldades da minha vida porque elas escondem oportunidades imperdíveis. Dispenso esse discurso porque o meu país me retirou a possibilidade de escolha. Dispenso o seu paternalismo. A sua pena. O seu desprezo pela classe a que pertenço. Dispenso os seus discursos, os seus silêncios, as suas palavras, as suas reservas em contribuir para a governação de um país onde é Presidente da República. Dispenso-o.

 

Ainda assim, dirijo-me a si, porque, contra a minha concordância e o meu voto, é o Presidente da República do meu país. E tem responsabilidades, E devia pagar pela culpa que tem no estado a que as coisas chegaram. E como não paga, tem, ao menos, de me ouvir.

 

Começo hoje o meu caminho de saída. De si, Sr. Presidente da República que se dispensa de o ser, dispenso tudo. De si e de todos aqueles que, neste momento, encaminham o meu país para o abismo.

 

Ana Isabel Oliveira

 

11 de Fevereiro de 2013, por Nuno Manuel Costa – Site, As Minhas Leituras: http://www.leituras.eu/?p=1106#YpWRHo0u8diQqeeH.01

 

Publicado no Mar Revolto por António Lemos

 

 

 

 

 

 



publicado por António Lemos às 12:20
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30


posts recentes

PS: UM JOGO NOVO?

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

arquivos

Novembro 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds