Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010
Hoje não somos um povo a dizer não quero!

http://www.youtube.com/watch?v=9v15fr7Wfek&feature=related

 

Diz esta canção a dada altura “somos um povo a dizer não quero”. A dizer não quero aos que outrora ultrajaram e venderam esta terra. Hoje não somos um povo a dizer não quero, somo um povo que caminha para o cadafalso, tal como um condenado conformado com a sorte e com a morte, não somo capazes de hoje dizer NÃO QUERO! Aos que hoje ultrajam e vendem a nossa terra. Não foi para isto que fizemos a REVOLUÇÃO!

Hoje os sucessivos governos do PSD, CDS, e do PS com a conivência dos sucessivos Presidentes da Republica, do PS e PSD/CDS, reinam nesta terra como senhores feudais, destruindo o aparelho produtivo, privatizando todas as empresas que do ponto de vista estratégico são essenciais à soberania nacional, como as petrolíferas, energéticas, e a banca, bem como tudo o que é socialmente necessário ao bem-estar do povo principalmente dos mais desfavorecidos, como a educação e a saúde.

Hoje os trabalhadores pagam do seu bolso a má gestão do país, e os funcionários públicos pagam do seu bolso os erros dos gestores públicos e os erros dos governos do PSD, CDS e PS.

Hoje a corrupção graça por todo o lado, nas empresas do estado, na banca, nas autarquias, nos ministérios, os políticos e os gestores públicos acusados nunca são julgados e o povo continua sistematicamente a votar e a eleger quem rouba à descarada.

Hoje os banqueiros nacionais e estrangeiros mandam no orçamento de estado, não é por acaso que se apressam a reunir com os partidos que “tutelam”, PSD e PS, antes de sair o referido orçamento.

Hoje Portugal etá à beira da falência mas os ricos cada vez estão mais ricos e os pobres cada vez são mais.

Hoje os partidos de esquerda como o PCP e o BE, que se arrogam de vanguarda, na defesa dos trabalhadores, dos pobres e das classes mais desfavorecida, serão eles capazes de mobilizar o povo para dizer NÃO QUERO?

Vivemos 48 anos numa ditadura fascista que ultrajou e vendeu este país, e hoje vivemos numa democracia ou numa ditadura?

Hoje vivemos de certeza numa coisa qualquer que garantidamente termina em exploração CAPITALISTA.

 

A letra da canção que acima se reproduz diz a certa altura:

 

Ontem apenas
fomos a voz sufocada
dum povo a dizer não quero;
fomos os bobos-do-rei
mastigando desespero.

Ontem apenas
fomos o povo a chorar
na sarjeta dos que, à força,
ultrajaram e venderam
esta terra, hoje nossa.

E HOJE SOMOS OU NÃO SOMOS CAPAZES DE DIZER NÃO QUERO?

António Lemos



publicado por António Lemos às 17:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010
Oceanos saudáveis para combater a fome - Greenpeace

 Greenpeace. http://www.greenpeace.org

Oceanos saudáveis para combater a fome. No dia mundial da alimentação, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alerta para o facto de em 2009 termos ultrapassado a barreira de mil milhões de pessoas com uma falta crónica de comida. A FAO reconhece que o problema da fome não passa pela inexistência de recursos, mas sim pela falta de acesso aos mesmos. Actualmente, mais de 120 milhões de pessoas dependem exclusivamente dos recursos marinhos para subsistir. No entanto, paradoxalmente, as pessoas que vivem mais próximas dos recursos do nosso planeta e que dependem directamente deles, são as que passam mais fome. As palavras de ordem para inverter este rumo são a segurança e a soberania alimentares. Para tal, é fundamental travar a destruição contínua dos ecossistemas resultante de técnicas de agricultura e pesca de grande escala, altamente desperdicentes. O pequeno agricultor e o pequeno pescador têm um papel crucial na preservação dos recursos alimentares para gerações vindouras.

A pegada ecológica dos portugueses. Os portugueses também contribuem para uma pegada ecológica que ultrapassa largamente aquilo que o planeta azul nos consegue fornecer. Segundo o último estudo do impacto global das actividades humanas, os portugueses precisam de 4,5 ha por pessoa para manter o seu nível de consumo actual, duas vezes a média global e quase quatro vezes a área que lhes caberia se o seu consumo fosse adaptado à capacidade de regeneração da terra. Se olharmos apenas para o consumo dos recursos pesqueiros, os portugueses ficam colocados muito acima da média mundial - com um consumo, em média, de 57 quilos de peixe por pessoa por ano, somos os terceiros maiores consumidores de peixe per capita do mundo.

Proteger a biodiversidade, garantir peixe no futuro

Neste momento, os líderes mundiais encontram-se em Nagoya, no Japão, para a 10ª reunião da Convenção das Nações Unidas para a Diversidade Biológica. Em 2002, os países signatários da Convenção prometeram reduzir significativamente a perda de biodiversidade. No entanto, oito anos depois, pouco ou nada foi feito para evitar que a lógica do “lucro a qualquer custo”, máxima das grandes indústrias, continue a extinguir espécie atrás de espécie e a destruir os ecossistemas de que depende o nosso futuro. Para esta cimeira, a Greenpeace desenvolveu um Plano de Emergência para o Resgate dos Oceanos que traça um roteiro para a plena recuperação dos oceanos e dos recursos pesqueiros: a criação de reservas marinhas que cobrem 40% da superfície marinha.

Proposta para uma rede global de reservas marinhas em 40% dos oceanos (em inglês, no site da Greenpeace Internacional)

Vozes portuguesas em defesa dos oceanos

Enquanto os políticos se mantêm passivos e a indústria ainda assobia para o lado, um outro jogador influente começou a liderar a mudança necessária para garantir recursos para todos: o retalhista. No final de 2007, a Greenpeace iniciou uma campanha de três anos com o objectivo de alterar a lógica do mercado de peixe em Portugal. Hoje, o movimento por pesca e pescado sustentáveis encontra-se já bem consolidado no país - com quatro dos principais retalhistas a desenvolver uma política de venda de peixe com base na sustentabilidade e milhares de consumidores portugueses a exigir produtos responsáveis que não contribuam para o colapso iminente das reservas de peixe mundiais.

Esta campanha esteve inserida num movimento internacional iniciado em 2005 no Reino Unido. Num mundo globalizado, é fundamental ter uma voz global em defesa do nosso planeta. Tal como a crise ambiental que enfrentamos hoje, a Greenpeace não olha a fronteiras e estende a sua voz ao mundo inteiro. Informa-te e junta também a tua voz ao movimento global, subscrevendo as nossas newsletters.

Entra em acção: A primeira iniciativa dos cidadãos europeus precisa de assinaturas portuguesas!

A Comissão Europeia tem sistematicamente colocado os interesses do lóbi dos organismos geneticamente modificados (OGM) e os seus lucros à frente da segurança dos cidadãos europeus. Recentemente e pela primeira vez em 12 anos voltou a aprovar o cultivo de mais alimentos transgénicos, ignorando os protestos e moratórias nacionais de vários países europeus. A petição para uma moratória europeia sobre os OGM já chegou ao milhão de assinaturas! Mas faltam assinaturas de eleitores portugueses para atingir o objectivo para Portugal.

 

Ajuda a viabilizar esta petição, o continente europeu agradece!!

 

Caros amigos o mínimo que os portugueses podem fazer é colaborar assinando as petições e ajudando dessa forma a GREENPEACE que luta no terreno dando a cara por todos nós em defesa do ambiente, quer em terra quer no mar.

Eu António Lemos já assinei e você?

 

 



publicado por António Lemos às 13:02
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Outubro de 2010
Vampiros

Vampiros  

José Afonso

 

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Vêm em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

 

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [Bis]

 

A toda a parte Chegam os vampiros
Poisam nos prédios Poisam nas calçadas
Trazem no ventre Despojos antigos
Mas nada os prende Às vidas acabadas

 

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

 

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

 

No chão do medo Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos Na noite abafada
Jazem nos fossos Vítimas dum credo
E não se esgota O sangue da manada

 

Se alguém se engana Com seu ar sisudo
E lhe franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

 

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

 

http://www.youtube.com/watch?v=ZUEeBhhuUos

Esta cantiga do Zeca está tão actual hoje como no passado, antes do 25 de Abril de 1974. Mudaram os vampiros, mas o sangue que sugam continua a ser o do povo.

António Lemos



publicado por António Lemos às 07:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

Luta pela Paz, questão ce...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds