Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Sábado, 21 de Julho de 2007
O Estado da Nação

Assisti ontem, (20 de Julho), ao debate sobre o estado da Nação, na Assembleia da Republica, e fiquei estupefacto com o panorama que nos foi apresentado na intervenção do Sr. Primeiro-ministro, José Sócrates, levando a crer que os portugueses vivem num autêntico paraíso.

Na realidade, o país continua a viver uma preocupante crise económica e social que se agravou ao longo da governação do Partido Socialista.

Portugal é hoje na Europa o campeão da precariedade no emprego, são hoje mais de um milhão e duzentos mil (1 200 000) os trabalhadores que têm vínculos precários.

O desemprego atingiu a mais elevada taxa de sempre com 8,4% e o desemprego de longa duração não parou de crescer atingindo hoje mais de 50% dos desempregados. Mais de cem mil jovens (100 000) com menos de 25 anos lutam desesperadamente por conseguirem um emprego. Milhares de portugueses recorrem de novo à emigração, aceitando por vezes trabalhos em condições deploráveis em países da União Europeia onde, ao contrário do que se pretende fazer querer, uns são mais europeus do que outros.

Portugal já era, em 2005, considerado na União Europeia o pais com mais desigualdades na distribuição dos rendimentos, o governo ao reduzir os salários reais acentuou e consolidou essa realidade que a todos nos entristece.

Com o aumento dos impostos sobre os bem de consumo e dos serviços essenciais, as famílias portuguesas atingiram um novo recorde de endividamento que se agravará com o aumento das taxas de juro do Banco Central Europeu, taxas que o governo do Partido Socialista aceita sem pestanejar e até aplaudindo. Não nos podemos esquecer que Portugal já paga uma das taxas de juro mais altas na zona euro e é o país com mais dificuldades na retoma da sua economia.

O governo atacou as reformas e as pensões, os portugueses vão ter que trabalhar muito mais e receber muito menos na velhice.

O governo atacou e diminuiu drasticamente as funções sociais do Estado, atacou a saúde, e a educação, encerrou hospitais centros de saúde, maternidades (em algumas localidades as portuguesas têm hoje que se deslocar a Espanha para terem os filhos), o governo encerrou escolas, retirou direitos aos professores e aos estudantes, e diminuiu a autonomia do Ensino Superior e tudo isto é obra de um Governo que se diz SOCIALISTA.

Falou o Senhor Primeiro-ministro no seu discurso em concertação social e como o governo conseguiu vários acordos na concertação social, mais uma vez não acreditei no que estava a ouvir. A maioria dos acordos de concertação social (cerca de 90%), foram assinados com as associações patronais e com a central sindical menos representativa dos trabalhadores portugueses com forte influência de quem nos tem governado, a UGT. O governo que se diz socialista rivaliza nas suas politicas com a direita mais retrógrada que temos em Portugal, e tem aberto as portas ao capitalismo do poder absoluto, que pretende dominar o mundo do trabalho retirando todos os direitos dos trabalhadores e chegou-se ao ponto de se ouvirem as Confederações Patronais propor que se altere a Constituição da República, de forma a ser possível despedir trabalhadores por delito de opinião ou por convicções politicas, tudo isto só é possível porque o patronato mais retrógrado se sente seguro tendo em conta os exemplos que o governo transmite de guerra total contra os direitos fundamentais dos trabalhadores quando as proposta que apresenta para a concertação social se caracterizam por facilitar os despedimentos, liberalizar os horários de trabalho, reduzir os salários, atacar o direito ás ferias, fragilizar os sindicatos e as organizações representativas dos trabalhadores de forma a dificultar a contratação colectiva, tornado desta forma mais difíceis a relações de trabalho.

Enquanto muitos portugueses ficam cada vez mais pobres, outros, poucos, ficam escandalosamente cada vez mais ricos. Tomemos a banca como exemplo, em que os lucros astronómicos contrastam com as dificuldades económicas dos trabalhadores e dos pequenos e médios empresários.

A política implementada por este governo não defende os sectores produtivos nacionais como a agricultura, a pesca, a indústria, tudo porque primeiro está o cumprimento cego das regras do Pacto de Estabilidade que tanto tem entravado o desenvolvimento económico e agravado as dificuldades das micro, pequenas e medias empresas.

Sectores vitais estão hoje na mão de monopólios que centralizam a riqueza à custa do país, exemplo disso são os combustíveis, dominados pelo grande capital estrangeiro e nacional, que conseguem fazer com que mesmo quando o barril de petróleo desce a gasolina e o gasóleo continuam a subir, o mesmo se passa com os aumentos da energia eléctrica e do gás que cada vez mais dificultam o desenvolvimento das empresas portuguesas chegando mesmo a arruinar algumas.

Claro que todas estas dificuldades são também sentidas pelas famílias portuguesas e pelos consumidores em geral.

Para além de tudo isto, temos vindo a assistir a uma escalada de comportamentos antidemocráticos, que partem do poder governamental e de organismos que o governo tutela.

 Assistimos hoje à instauração de um clima de delação, de suspeição, de intimidação, e de bufaria, temos como exemplo o caso do Professor Charrua, suspenso das suas funções pela Directora da DREN por nítida perseguição politica ou o caso da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, que foi exonerada pelo Ministro da Saúde por não ter mandado retirar um recorte de jornal, das instalações do centro contendo declarações do ministro Correia de Campos, ou mesmo em órgãos de poder autárquico, governados pelo PS, como no caso da Junta de Freguesia de S. Domingos de Rana no conselho de Cascais onde os trabalhadores já se queixam de varias formas de intimidação e perseguição.

O governo chegou ao ponto de mandar identificar manifestantes que se manifestavam espontaneamente numa visita do Sr. Primeiro-ministro, e mandar filmar e fotografar de forma ilegal dirigentes e associados das Associações de Militares.

Em conclusão, muito mais haveria para dizer deste governo do Partido Socialista, que desenvolve uma politica de direita, anti-social e que ultimamente tenta condicionar quem se lhe opõe, e quem protesta, contra as suas medidas.

A seu tempo o povo português saberá dar a devida resposta, como o tem feito, sempre que se sentiu traído.

O Partido Socialista e o governo traíram os portugueses em breve os portugueses responderão à letra!

António Lemos




publicado por António Lemos às 16:35
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

Luta pela Paz, questão ce...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds