Este espaço destina-se à divulgação de Noticias, Ideias e Pensamentos e ao debate de temas relacionados com o Mar, a Politica, a Cidadania, o Turismo, a Sociedade e a Cultura em geral. FOI ADICIONADO UM CONTADOR A PARTIR DE NOVEMBRO DE 2010
Sábado, 2 de Dezembro de 2006
Na companhia do Mar

O dia ainda mal desponta, são 7.30h é Novembro, estou sozinho, hoje ninguém me acompanha. Saio a marina de Cascais, contorno a bóia do tubarão, (assim apelidada por ser parecida com a bóia utilizada no filme do Tubarão) a partir dai a muralha fica pelo estibordo do “Náutica”, por bombordo avisto algumas embarcações da pesca artesanal que levantam os covos, acelero e rapidamente ganho velocidade, no entanto a ondulação com cerca de 3m não me deixa passar dos 12 nós. Navego perto da costa, o farol de Santa Marta já vai ficando para trás, vislumbro alguns pescadores pendurados na falésia, tentam a sua sorte pois os sargos com a agitação marítima por vezes encostam e é altura de os tentar capturar.

Algumas gaivotas que se encontram pousadas na água levantam-se com indolência à minha passagem, voam junto de mim como que protestando por terem sido importunadas, aproximo-me da Boca do Inferno, é um local turístico, mas é também o pesqueiro mais utilizado de Cascais. Começo a trautear uma canção do Zeca, “Somos Filhos da Madrugada”, passo o Farol da Guia imponente lá no alto do seu pequeno promontório, é o segundo farol que mais gosto de ver quando regresso ao porto de Cascais, é o sinal de que a segurança já está perto. Aproximo-me do Cabo Raso, a agitação marítima piora um pouco, não é por acaso que os pescadores mais antigos de Cascais chamam à passagem junto ao Cabo Raso a “rua das amarguras”, aqui está o farol que mais gosto de ver quando regresso do mar – o Farol do Cabo Raso.

Abrando a navegação e aos poucos deixo o Raso para trás, vou em busca de um troféu, tenho fé numas beiradas que ficam a cerca de 8 milhas do Raso, ao longe avisto o Cabo da Roca com o seu imponente farol guardião do fim da Europa Continental, tal como escreveu Camões “Onde a terra acaba e o mar começa”.

A minha navegação baixou para os 10 nós, sou visitado pelos golfinhos que me acompanham durante algum tempo, são muitos, é digno de se ver, parecem uma escolta ladeando o barco e nadam mesmo junto ao costado da embarcação, sinto-me tentado a tocar-lhes mas isso implicava deixar os comandos da embarcação, e realmente a ondulação que se faz sentir não aconselha, desisto, fica para outra vez, ás vezes penso que eles já me conhecem, tantos são os dias que nos encontramos nos mesmos locais, são sem duvida os senhores deste pedaço de mar e eu gosto da sua companhia.

Já estou perto, mais 1 milha e é altura de abrandar a navegação e preparar as amostras, decidi tentar a sorte com as zagaias, quero bater os meus recordes, “quero” um pargo com mais de 8 kg, a ver vamos.

Cheguei, montei duas canas, trabalho com uma e tenho outra pronta para o que der e vier, começo a sondar o local, a ondulação e a corrente não ajudam muito, assim a deriva é mais difícil de controlar, tenho o rádio posicionado no canal 11, aguardo informações da meteorologia e do estado do mar, é sempre bom nesta altura saber com o que conto. Decido desligar o motor por momentos e “escutar” o silêncio do mar, é uma sensação maravilhosa, o vento que sopra de sudoeste é muito fraco, escuto apenas o roçar do mar no casco do “Náutica”, de repente ouço como que um sopro e reparo que 2 gansos patolas voam baixo e passam mesmo junto do barco. Durante algum tempo contemplo o horizonte, o céu coberto de nuvens cinzento claras, penso no enorme prazer que me dá estar ali no meio do mar, livre de tudo só com os meus pensamentos, debruço-me na amura do barco e com a mão em concha apanho um pouco de água, sinto a sua frescura, penso quanta vida está contida naquela pequena porção de água e quanta vida está contida na vastidão dos oceanos, sinto que faço parte dessa vida pois estou ali, naquele momento sinto que pertenço ali, pertenço ao mar. Repentinamente reparo que não muito longe um bando de aves mergulha freneticamente no mar, são Patolas que aproveitam o enorme cardume de sardinha que foi empurrado para a superfície por predadores e agora se banqueteiam. Dirijo-me para lá, sei por experiência própria que, por vezes, os peixes que se estão a alimentar desses cardumes são de boa qualidade e de bom peso. Rodeio toda aquela azáfama predadora e torno-me também predador, começo a zagaiar, ferro de imediato um peixe a poucos metros da superfície, dá luta mas não é o que pretendo, não é um troféu, embarco uma cavala que deve pesar quase 2 kg, volto a colocar a zagaia na água e de novo fisgo outro peixe, desta vez já sinto a adrenalina a soltar-se, o bicho é grande e luta bem, leva muita linha do carreto e a custo consigo travá-lo, deduzo que seja um atum “Bonito” (“Gaiado”), ao fim de uns longos 10 minutos consigo traze-lo para junto do barco e com a ajuda do chalavar embarco o peixe, é efectivamente um atum, calculo que tenha perto de 5 kg.

Volto a colocar a zagaia na água, não sem antes fazer algumas correcções de posição, acompanhando o frenesim das aves e dos peixes, e desta vez a zagaia desce mais fundo, perto dos 50m ferro um peixe, este é bom, luta como eu gosto, mergulha, corre, dá cabeçadas, umas vezes quase não consigo recuperar linha outras parece que fica leve como uma pena, é um pargo quase tenho a certeza e dos bons, ao fim de algum tempo chega finalmente junto do barco, está cansado e eu também, mais nervoso que cansado, mais uma vez com a ajuda do imprescindível chalavar lá embarco o peixe.

Entretanto, no decorrer do combate com este belo pargo o cardume afundou, a azafama parou, os peixes deixaram de mergulhar, o rádio quebra o silêncio e a rádio naval começa a transmitir a informação que aguardo, as noticias não são boas, está previsto o aumento do vento e consequentemente um agravamento do estado do mar para a tarde, a partir das 13 horas, são 10 horas da manhã, tenho menos de 3 horas para pescar se quiser regressar em segurança. Pensativo contemplo os montes da Serra de Sintra ao longe, a distância é grande, o farol do Raso não se vê, decido pescar mais duas horas e regressar por volta do meio-dia.

Dirijo-me então para uma beirada das minhas, vou devagar, há que sondar o fundo, e aí está o sinal de peixe grande, controlei o barco e zagaiei em cima, mas nada. Chego à zona pretendida e a sonda marca peixe no fundo, a zagaia desce e sobe uma, duas, três, quatro vezes e nada, estou a pescar a uma profundidade de 65m, corrijo a posição, controlo a deriva e desta vez a sonda acusa peixe grande, lá vai a zagaia, ainda não tinha chegado ao fundo e ferra um peixe, de inicio a linha ficou frouxa mas segundos depois a bobine do carreto não parava, a custo comecei a trazer o peixe, era dos bons, já tinha passado alguns minutos e peixe nem vê-lo, ora subia ora descia, já tinha recuperado muita linha e começava a considerar a hipótese de conseguir embarcar este peixe, mas quando menos espero algo correu mal, o peixe arrancou de novo, começou a levar linha e de repente não estava lá, a linha ficou frouxa e tudo terminou, o peixe foi-se e a zagaia também.

Para me recompor desta derrota desliguei o motor e fui reconfortar o estômago. As horas passavam, o vento começava a aumentar, já se notavam as alterações no mar, com alguma tristeza decidi regressar para mais perto do Raso, pois por vezes as corvinas andam por lá e como já tinha jantar, não perdia tudo. Acabei de comer e pus-me a caminho, em boa hora o fiz, ao chegar ao Raso o vento tinha aumentado sendo agora do quadrante sul e com rajadas que deviam ultrapassar os 20 nós. A tentativa de capturar uma corvina falhou devido à forte agitação marítima que já se fazia sentir no Cabo Raso. A jornada de pesca terminara, havia que regressar à marina, com vento de sul a navegação para Cascais não é fácil, devagar, não ultrapassando os 6 nós, dirigi-me para mais perto do cabo guiado pelo GPS, o Raso ficou pela alheta de bombordo, fiquei mais descansado quando me encontrei frente ao Farol da Guia, devagar e quase uma hora depois de ter chegado ao Cabo Raso contornei a bóia do Tubarão e entrei na Marina.

O dia terminou mais cedo, os meus peixes não são grandes troféus mas sinto-me satisfeito, estive no mar, estive onde gosto, onde me sinto bem, onde materializo as minhas aventuras. A incessante busca do grande troféu não vai parar, sem mar não sei viver, faz parte de mim, do meu ser, costumo dizer que de tanto respirar o mar já me corre água salgada nas veias. Amanhã se o mar quiser lá estarei de novo.

António Lemos



publicado por António Lemos às 20:30
link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De Carlos Félix a 3 de Dezembro de 2006 às 12:46
António Lemos


Pois claro que irei divulgar. Gostei do que li e também sou pescador amador uma parte do ano (Outono Inverno), de praia e sempre à noite e a partir da Primavera de barco, numa embarcação Ria Mar de 4,40 com um motor de 4 tempos 40CV.
Este ano que está a findar pesquei...ehheheeh! Na noite do S. Cavaco ( foi eleito), à mesma hora estava a tirar um Robalo com 4,700KG.
Já em Julho ao fazer um arrolado com uma fêmea carangueijo pilado, tirei tb um Robalo, este de 4,200Kg.
Foi na Ilha do Sal onde permaneci em comissão de serviço por 30 meses, nos anos longínquos de 70, que me viciei nas artes da pesca, vício que hoje mantenho e devido ao qual, passe o exagero da expressão, vou mantendo alguma sanidade mental.
É evidente que se deve notar: fui militar durante 36 anos e só junto ao mar, de terra ou de barco é que tb sinto que estou em harmonia, esquecendo por horas a desarmonia e desacordo completo que grassa na nossa sociedade, com toda a gente (responsáveis), a serem AUTISTAS.
Saudações amistosas e continuação de boas pescarias e espero que consigas o objectivo do Pargo, em Porto Santo há muitos, eheheeh!, felicidades


De Fernando Serrano a 4 de Dezembro de 2006 às 12:42
Bonito relato aquele com que nos brindou no seu blog.

Decerto que cada vez que vai para o mar uma história nova tem para contar.
Seria interessante fazer um tipo de diário com estes relatos e, já agora, faça-se acompanhar de uma máquina fotográfica digital e registe algumas imagens.
Seriam o sal e a pimenta de um prato literário que ilustra bem o sentimento perante o mar.

Continue e partilhe connosco estas experiências.

Um abraço

Fernando Serrano


De Dinis Ermida a 4 de Dezembro de 2006 às 12:44
Viva, caro António Lemos, bom dia. Parabéns pelo texto, está muito bom!
Qualquer dia ponho-o como redactor do Mundo da Pesca, heheheh!

Um grande abraço e obrigado por me ter deixado 'acompanhá-lo' nesta jornada.

Dinis Ermida


De Anónimo a 4 de Dezembro de 2006 às 16:49
Parabéns pelo texto, ao ler as suas linhas quase que me fez sentir que estava ao seu lado com uma cana na mão.
Espero também voltar brevemente a sair consigo para apanhar mais uns vermelhinhos na Roca.
Um grande abraço.
Paulo Branco
branco.paulo@sapo.pt


De Clemente Alves a 5 de Dezembro de 2006 às 22:54
Lindo.
Até parece que eu também estive lá.
Já leste certamente o Ernest Hemingway no "Velho e o Mar", mas ainda assim recomendo a re )leitura, porque o prazer é sempre novo.
Um Abraço e, se o mar quiser, grandes peixes..
Clemente Alves



De Anónimo a 8 de Dezembro de 2006 às 01:05
Boas

São os desabafos como o seu que me fazem continuar na busca do grande troféu!

Já li algumas linhas sobre si e do seu gosto pelo mar e fico sempre cheio de vontade de por a isca na agua!

Boas continuações!

Aquele abraço
Sérgio Silva


De A. Ferreira a 16 de Janeiro de 2007 às 19:49
Que texto fantástico, faz-nos estar a bordo também.

Lindo.

Parabéns e cumprimentos!


De Mário Silva a 10 de Janeiro de 2017 às 08:22
Muito bom, adorei também faço embarcada esporadicamente,gostava de ir consigo um dia ! Abraço!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VISITA A ESCAROUPIM, UMA ...

PSP de Cascais interrompe...

A Margarida Partiu, a dor...

VIVA FIDEL!

Thermopylae. História do ...

Diana Johnstone, Hillary ...

“A Linha de Cascais Está ...

Faina Maior – A pesca do ...

A DÚVIDA! Madre Teresa de...

Charlie Chaplin, “O Melho...

E OS ASSASSINOS GRITAM EU...

Defender a Escola Pública

Telescópio Hale

HÁ ANIMAIS A SEREM MAL TR...

40 Anos da Constituição d...

EU VOTO EDGAR SILVA!

O ALMIRANTE PORTUGUÊS – R...

Noam Chomsky: “A pior cam...

Caiu o Governo de direita...

Luta pela Paz, questão ce...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

favoritos

“A FESTA DO AVANTE”, MIGU...

links
Contador
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds